31/05/21

Prefeita de Caruaru defende acordo nacional para enfrentamento à pandemia

Raquel Lyra representou a FNP durante o evento virtual “Direitos Já! Fórum pela Democracia”

“Crise econômica não é outra se não crise da vacina e é só ela que permitirá que a gente possa sair com segurança de tudo isso”. A frase é da prefeita de Caruaru/PE, Raquel Lyra, que representou a Frente Nacional de Prefeitos (FNP) na plenária virtual “Direitos Já! Fórum pela Democracia”.

A governante, que é vice-presidente do g100 da FNP, defendeu uma “estratégia nacional”, que priorize localidades com “maior crise e maiores índices de contaminação e ocupação de leitos”. Para a prefeita, que foi uma das palestrantes no painel "O Pacto Federativo e a Articulação Necessária para o Enfrentamento da Pandemia", se há escassez de vacina, é preciso uma concertação nacional sobre a distribuição de doses.

“A gente acaba colocando tanta prioridade que não prioriza o que deve ser feito, que a ciência diz, que deve ser a priorização sobre idade”, comentou. A prefeita também chamou a atenção para o pós-pandemia e para a necessidade de o governo federal financiar pessoas físicas e municípios.

“E não adianta achar que não precisamos de mais auxílio emergencial. Precisamos, sim, para pessoas e para os municípios, mas que ele vá direcionado para onde há, de fato, a necessidade e que pessoas com maiores vulnerabilidades possam ser contempladas”, concluiu.

No mesmo painel, o prefeito de Araraquara/SP, Edinho Silva, vice-presidente de Economia Solidária, falou sobre a experiência do município paulista no enfrentamento à pandemia com a adoção de um rigoroso lockdown. Segundo o governante, foi registrada uma queda de 47% na média móvel diária, 52% nos pacientes em quarentena, 76% no número de óbitos e 83% em contaminações.

“Lockdown é imposição da realidade”, avaliou. Para Edinho, “enquanto não tiver vacinação, temos que ter uma estratégia de frear contaminações e se nós não temos condição de manter nossas cidades em permanente lockdown, temos que ter estratégias de rastreamento e de colocar em quarentena os positivados e seus comunicantes”, disse.

No caso de Araraquara, o governante afirmou que o processo de volta do lockdown foi baseado em um programa arrojado de testagem, rastreamento e bloqueio dos positivados e, em parceria com a Universidade do Estado de São Paulo (Unesp), um monitoramento da carga viral da rede de esgoto.

Coordenado pelo ex-presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Nelson Jobim, que também reforçou em sua fala de abertura a necessidade de um “planejamento estratégico” fixo para toda a federação, o evento “Direitos Já! Fórum pela Democracia” foi transmitido ao vivo pelo Youtube. Assista na íntegra.

Redator: Livia PalmieriEditor: Paula Aguiar
Última modificação em Segunda, 31 de Mai de 2021, 18:10
Mais nesta categoria: